terça-feira, julho 13, 2010

Falando coisa feia

Ontem, como sempre faço, cheguei do trabalho, dei o peito para Duda e sentei com os dois no tapete para brincar um pouco. Duda fica entretida com as atividades do seu tapetinho e com os seus brinquedos, enquanto isso eu e Gui brincamos de desenhar e montar quebra-cabeça. - Ultimamente tenho escolhido atividade de concentração neste horário para ver se diminui o agito e ajuda o pequeno a pegar no sono mais cedo e ter noites bem tranquilas.

Tudo estava correndo bem, ele não parecia mais agitado e nem menos concentrado do que é o normal para uma criança de 3 anos. Quando na hora de guardar os brinquedos ele fala bem baixinho “- guarda logo esta p...”. Eu não acreditei no que havia escutado e logo disse: “-o que você disse Guilherme!” Ele tomou um susto e se tremeu todo colocando a mão na boca, o que quer dizer que sabe bem que estava fazendo algo muito errado. Poucos minutos depois e ainda antes que terminássemos de guardar o brinquedo ele repetiu a mesma frase, desta vez um pouco mais alto e com mais clareza. Eu briguei mais uma vez e disse que era muito feio falar palavrão. Pedi que ele não repetisse mais.

Lá em casa, eu e Fabio não falamos muitos palavrões – eu bem menos do que ele – mas algumas vezes escapa. Apesar de acreditar que ele pode estar escutando isso na escola, de algum amiguinho, decidi que de hoje em diante nenhum palavrão vai sair da minha boca e já pedi ao pai que fizesse o mesmo. Crianças repetem tudo e depois que descobre que é errado e chama a atenção, aí é que repetem mesmo!

Fiquei na dúvida se tomei a atitude certa, pois já ouvi falar que repreender nem sempre é a melhor estratégia, já que estamos dando ibope para o que foi dito. Só que fiquei completamente arrasada de ver meu filho de apenas 3 anos dizendo uma coisa assim. Sei que não foi um palavrão muito cabeludo, mas fico achando que para repetir outros vai ser só um passo.

Meu pai, que é muito fanfarrão e sem nenhuma dúvida é o maior dicionário de palavrões que conheço. Guilherme adora o avó e suas brincadeira brutas e exageradas. Na primeira oportunidade repreendi me pai e disse que era feio falar palavrão. Pedi ao Gui que também repreendesse o avô e não o deixa-se falar palavrão. Claro que no final tudo virou brincadeira e os palavrões ali passaram a ser inconstitucionalissimamente e paralelepípedo.

Acho que ter dado a ele a responsabilidade de não permitir que o avô fale palavrões pode ter sido uma saída, já que sei que é impossível evitar que o pequeno escute isso na rua. De qualquer forma estou muito atenta para que o tiro não saia pela culatra!

Seu filho já repetiu palavrões ou palavras feias em casa? Quantos anos ele tem? O que você fez para repreende-lo? Surtiu efeito?

16 comentários:

B. disse...

Lu,
eu e o Wagner falamos palavrão, na fanfarrice mesmo; nunca quando nos dirigimos à Julia, lógico, mas ela escuta às vezes...
sabe que ela NUNCA falou um palavrão?? uma lady a minha filha!!
o que eu acho mais importante do palavrão é que, em nenhuma hipótese, ele pode ser dito em briga, com raiva... e, claro, não é pra sair da boca de criança nunca!
beijos, beijos
Bibi

Priscila disse...

Lu,
Aqui em casa, às vezes soltamos umas palavras assim, mas tentamos nos policiar porque criança aprende tudo fácil. Acho que o Gui devia ter mais ou menos a idade do seu Gui quando mandou o primeiro palavrão. Ele estava brincando e disse "m!". Eu expliquei que não era uma palavra bonita e ele perguntou se podia dizer "puxa vida". A partir daí passou a usar essa expressão sempre.
Mas outro dia falou um palavrão daqueles! Fiquei tão chateada e decepcionada que fui na escola no dia seguinte pra conversar sobre o ocorrido, já que o que ele disse nem é pronunciado em casa e ele disse que tinha sido o amigo que ensinou. Isso tem uns dois meses e ele já repetiu isso umas 2. Não sei como repreender sem dar esse ibope...
Bjs.

Ana Cristina disse...

Bem a minha começou bem mais cedo que o Gui, um belo dia estamos com uns amigos reunidos e um deles soltou um palavräo, ela estava com 1 ano e 6 meses, (hoje com 1 e 9meses) e repetiu na ora, o amigo tentou dizer a ela que era Baralho, mas näo teve jeito, ela aprendeu e se ouvir alguem dizer ela repete, mas por enquanto é só repetiçäo, pois está na fase de repetir tudo que escuta, mas se näo nos policiarmos na frente deles já viu, eles aprendem muito rápido.

Danny Brandão disse...

Oi Lúcia.. meu filho tem 2a7m,e essa semana disse: "Filho da P..." eu fiquei chocada, tentei ser o mais natural possível perguntando o que ele havia dito e quem fala assim... Ele logo respondeu que foi um amiguinho da escola. Expliquei que aquilo era muito feio, que a mamãe não gostava e ele disse que entendeu. Tentou falar mais uma vez e ao perceber colocou a mãozinha na boca, como quem sabe que está fazendo algo errado.Eu e meu marido não falamos palavrão e ele pronunciou a frase com convicção...fiquei chateada, mas sei que faz parte do aprendizado.
Bjs !!

Flavia Bernardo disse...

Ih....que situação dificil. Por motivos óbvios, ainda não passei por isso, mas vou começar a moderar meus palavriados desde já!! Essas crianças pegam tudo muito rapido, principalmente o que não deve! rs

bjks
Flavia

Beatriz disse...

Lúcia,
grata pela visita hoje, um dia especial para todos que convivem comigo. Que graça os seus filhos, já percebi que és uma mãezona, fique tranqüila com relação aos palavrões, mesmo quando os pais erram é tentando acertar... Influência de fora seus filhos sempre vão sempre ter e vai aumentar, o pior são as más companhias que geram várias conseqüências, mas quando oferecemos para eles uma base sólida ela fica para sempre. Tenho um filho de 19 anos, e um temporão de 5 anos, são almas antigas e super humanistas, tenho orgulho deles.
um abraço e muita luz para vc e os seus.

Bia

Luiza Coelho disse...

Bom, o Lu, meu imrão fala palavrão as vezes e pode ter aprendido dentro de casa (meu pai fala) ou na escola... o fato é que assusta demais mesmo... a gente nunca espera isso de uma criança né? Eu falava muito palavrão mas me policiei e hoje falo raramente (porque quando batemos o dedinho do pé na quina da mesa não tem como, rs). Quanto a repreender, tenho aprendido várias tecnicas... é super dificil não repreender porque fomos criadas escutando não, não e não mas hoje a forma de educar mudou muito... aprendi que dizer não reforça o comportamento errado e devemos dizer o comportamento correto pra criança ao vermos uma atitude errada. EX: criança em cima da mesa... ao invez de dizer: não pode subir na mesa menino... devemos dizer: desce da mesa filho, mesa é lugar de comer... devemos sentar na cadeira... É dificil por em prática mas garanto que com o Lu tem funcionado bastante... Claro que o Gui sabia que estava fazendo errado ao falar palavrão mas o fez por algum motivo seja pra chamar atenção, pra mostrar que é observador e ve as pessoas falarem, que tá crescendo e quer ser como adolescentes ou crianças mais velhas... mas elogiá-lo falando que uma palavra feia não combina com um menino tão lindo seria uma ótima estratégia né?! Bom, adorei o post! Esse é um assunto importante... já que não podemos proteger de tudo que é feio, devemos ensinar dentro de casa né? beijinhos!

Re disse...

Olá!Muito obrigada pela visita ao Craft & Coisinhas!
Adorei seu blog, sou professora da Educação Infantil e sei a importância que coisas pequenas (como não falar palavras feias) tem na vida das crianças, eu suuper apoio!
Beijinhos!
Estou te seguindo também!

Isabela disse...

Lú, vc bem me conhece eu eu falo palavrão à beça. Muito. Até demais. A Laura nunca falou palavrão. Sempre ouviu a gente falar e nunca falou. Acho que é sorte nossoa. Já o Victor...de vez em quando ele solta umas pérolas. Na verdade ele fala principalmente quando vê o Fernando falando durante algum jogo de futebol. Aí ele aproveita e fala um monte de uma vez. A gente briga, diz que é feio...mas fazer o que v está fazendo eu acho que é a melhor solução: o que eles não ouvirem eles não vão repetir. Confesso que eu tento, mas nem sempre consigo. Saudades amiga. Belinha

Marta disse...

Essas crianças hoje em dia nos surpreendem. Deve ter ouvido na escola ou de alguém da família e aí pega logo. Mas o que vc fez foi certo.. orientar e dizer que é feito e não se deve falar.
Beijocas

Ana Luisa Peretti disse...

Oi Lu, o Pedro as vezes fala, meio baichinho sabendo que é besteira, acho que no fundo é pra se mostrar, parecer que é mais velho. Desde pequeno eu falo que é feio e ele recrimina o pai qd solta algum. Acho q se vc colocar numa redoma é pior, prefiro explicar, mostrar que existe mas q não é legal. Bjs

trecos e apetrechos da Fran disse...

Nessa idade eles imitam muito as outras pessoas, faço o mesmo que você com meus filhos e o Rafa que agora está maiorzinho já entende e não fala nenhum palavrão.
Lá em casa também não temos o hábito de falar palavrão, mas as vezes acaba escapando e hoje são as crianças que nos repreendem hehehe
BJS

Álefe Souza disse...

O Yuri tem 4 anos e de vez em quando aprende um, mas eu tento não brigar com ele com raiva, apenas explico que não pode pq é muito feio e a mamãe fica triste. Meu marido tbm adora falar um palavrão e eu brigo muito pra ele parar. Outro dia, o Yuri soltou um FDP! Fiquei horrorizada, mas manti a calma. Isso de não ligar funciona, percebi que ele fala, mas se ninguém liga ele pára, esquece.

Bjs!

Mariana e Álvaro disse...

Oi Lucia, v
i um comentário seu em um blog de uma noivinha que eu sigo...
Você disse que teve uma daminha de menos de um ano certo? Mas ela já caminhava?
Eu adoro daminhas, mas a única criança na minha família vai ter um ano e oito meses no meu casamento, será que dá pra arriscar?
Beijos

Jeniffer, Anderson, Alice e Ângela disse...

Amiga, a Alice ainda não sabe falar mas acho que teria uma atitude como a sua. Lá em casa desde já temos nos empenhado muito para não falar palavrão e também estamos evitando fazer nudismo. k k k k

Fabiana disse...

Olá Lucia, como vai?
Faz tempo que não passo por aqui.

Criança aprende tudo e o Gui está na idade que tudo é novidade.

Na minha casa nós nunca falamos palavrão, nunca achei motivo para isso. Quando acontece alguma coisa e me irrito já me policiei a sempre falar alguma palavra diferente mas que não fosse palavrão.

Os filhos são espelhos dos pais, ele amam e querem imitar. Se os pais falam palavrão os filhos acharão isso normal. Agora quando aprendem na escola é terrível, e sabemos que muitas coisas as crianças aprendem lá mesmo.

Minhas filhas já são adolescentes, nunca ouvi elas falando palavrão, mas gírias, aff, vez ou outra ouço e peço para manerarem.

De início acho que conversando e mostrando que é feio, aos poucos ele se policia, ou quem sabe substituindo a palavra, acho que assim é o ideal. Agora essa história de dar ibope, acho que isso é contraditório, os filhos vão fazer tudo o que querem agora? Sem chances, rs.

Bjs!