terça-feira, março 15, 2011

Nostalgia

Ontem à noite, depois da situação inédita de ter os dois entregues aos braços de Morfeu antes das 10h, aproveitei pra fazer o back up do meu netbook no HD externo que ganhei de presente de aniversário adiantado do Fábio (é pessoal, domingo é dia de festa!)

Enquanto eu organizava alguns arquivos e deletava outros, me deparei com fotos e vídeos foférrimos de quando Gui ainda era um bebezinho. Que nostalgia!!! Me deu um vazio no peito, olhar aquelas imagens e perceber que eu já não lembrava mais do meu pequenininho como um bebê. É eu sei que ele não é mais um bebê, que está amadurecendo e me conquistando com uma nova etapa, mas pensar que cada um daqueles momentos incríveis vão ficar guardados apenas na minha memória, me fez ficar com os olhos cheios d’água...

Sei que em breve será a Dudinha, que estará ao nosso lado, grande e sabida, tagarelando muito todos os dias, cheia de porquês todo o tempo. Só que ela sempre será o meu bebezinho, ela é a caçula e leva consigo a prerrogativa de ser sempre “a que pode tudo”! Acho que isso vai torná-la bebê por mais tempo, mesmo que seja apenas na minha cabeça e no meu coração.

Filho mais velho cresce antes. Depositamos no primogênito, a responsabilidade de dar o exemplo, de ser mais comportado, de ensinar tudo o que sabe, de dividir o que sempre foi seu, por direito e primeiro! Exigimos do pequeno grande homem, postura de um adulto com o irmão caçula e algumas vezes esquecemos que ele é apenas uma criança, no meu caso uma criança de 3 anos e meio!

Eu não quero que meu menino perca a possibilidade de também ser o bebezinho da casa, quero que ele possa chorar e saber que beijo de mãe cura tudo, mesmo quando se é o maiorzinho! Quero que ele acredite que aos meus olhos ele sempre será pequenino, mesmo quando deixar de ser. Só que tudo tem medida e para que ele possa se tornar um grande homem, terá que entender que na vida existem direitos e deveres para todos.

O meu dever nesta vida, o de mostrar o melhor caminho para que eles possam crescer e amadurecer, aos poucos, no tempo certo. Guardar as lembranças do tempo em que eles são pequititos, na cabeça e no coração, registrar cada instante, desta fase tão incrível das nossas vidas, com muitas fotos e filmagens (não mais esquecendo as filmagens, que ontem me tiraram tantos suspiros). Assim eu vou ter o direito de ser ainda mais feliz, cada vez que me deparar, de caso pensado ou não, com as páginas da nossa história.

8 comentários:

Rosi disse...

Puxa Lúcia

E pensar que, daqui a pouco, eu que estarei nostalgica desse jeito. Bebês crescem muito rápido mesmo. Dudu já fez 1 mês e parece que foi ontem que ele ainda habitava minha barriga...

Bjs

Flávia Mergulhão disse...

Oi Lucia!
Não recebi sua foto para o concurso!
Reenvia de novo: ateliedacaie@gmail.com ou flaviamergulhao@gmail.com, BOA SORTE!! Bjoss

Alethéa disse...

Ai, Lucia, meu Miguel nem está tão grande assim e eu já sinto esta falta... mas o bom é que cada dia fica melhor, né?

Lembro que eu nem pensava em engravidar ainda quando encontrei seu blog e vi o Gui, ainda pequenininho! Foi através dele que me encantei por ter um menino, sabia?

Abraços!

vanice disse...

Oi Lúcia...Nossa,as vezes também fico assim,já que meu mais velho já completou 7 anos...Que saudade de quando ele era pequenininhoo.
O caçula tem um aninho e já ,já também será grande,e tudo o mais.
Mais é assim né??Ainda bem que temos a tecnologia,que nos permite videos,fotos,blogs,etc....E um coração bem grande que cabem todas as lembranças.
bjos grande e tá sumida lá do blog hein.

Anônimo disse...

Oi Lucia
Eu tbm passo por isso ainda mais q a minha Pequena está prestes a completar 01 aninho e agora aqui em casa não mais teremos nenhum bebê...
Bjs
Nania

Vanessa Simonelli disse...

Pois é Lúcia lendo seu post me dei conta de que meu filhote, de 2 anos e 4 meses tb está crescendo. E me bateu aquela saudade dele bebezinho mamando em meu seio, em um tempo em que somente eu poderia fortalece-lo e fazer crescer... Aí me bateu aquela vontade grande de ser mãe novamente e dar a ele uma irmãozinho ou irmãzinha...Acho que ano que vem teremos novidades...Vou amadurecer a idéia.
Quanto a ostalgia, ela é inevitável para nós que somos mães...Mas o melhor de tudo é que existem momentos que nem o tempo pode apagar e que ficará pra sempre guardado em nossa memória, como o primeiro olhar que temos com nossos pequenos ao sair da barriga, os momentos da amamentação, os primeiros passinhos...e a primeira "Mama".
Isso sempre fica guardado em nossas lembranças... Um beijo pra vc.

Sybelle Alheiros disse...

Lú, já falei que adoro seus conselhos?
Pois é amiga, adooooro...
fase um pouco ruim amiga, mas passa né?
auto perdão?ainda não tinha pensado sobre isso, gostei. Preciso!
amo suas visitas e conselhos.
bjs

Sybelle Alheiros disse...

Lúciaaaaaaaa
amiga minha querida...
Feliz aniversáriooooo
que papai do céu te abençõe sempre.
Felicidadessss, saude, amor e dinheiro também né?
rsrrsrsrs
bjs